Saúde Pública

CONTRACEPTIVOS ORAIS x TROMBOSE

22/04/2017 - 10:36

Em revisão sistemática da Cochrane® do ano de 2014, todos os contraceptivos orais combinados investigados estavam associados a um risco aumentado de trombose venosa. O risco do evento adverso dependia tanto d...

Os contraceptivos orais são usados diariamente para regulação hormonal e para evitar a gravidez1.
 
O uso prolongado desde medicamento pode estar relacionado à trombose?
 
Em revisão sistemática da Cochrane® do ano de 2014, todos os contraceptivos orais combinados investigados estavam associados a um risco aumentado de trombose venosa. O risco do evento adverso dependia tanto do progestogênio como do etinilestradiol. O uso de progestogênio de segunda ou terceira não mostrou diferença no risco de tromboembolismo.
 
Em meta-análise também da Cochrane®, publicada em 2015, está descrito que o risco de infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral isquêmico foi aumentado em mulheres usando anticoncepcionais orais. O risco foi maior para pílulas com mais de 50mcg de estrogênio. Quando combinado com os resultados da revisão sistemática de 2014, a pílula contendo levonorgestrel e 30 mcg de estrogênio é a forma oral mais segura de contracepção hormonal3. Doses menores apresentam riscos inferiores quando comparados a doses maiores2,3.
 
Texto elaborado por Acadêmico Iago Christofoli
Revisado por Farm.ª Tatiane da Silva Dal Pizzol
 
REFERNECIAL BIBLIOGRÁFICO
 
 
  1. DUNCAN, B.B.; SCHMIDT, M.I.; GIUGLIANI, E.R.J.; Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.
  2. Cochrane Database of Systematic  Reviews. Combined oral contraceptives: venous thrombosis. Disponível em:http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD010813.pub2/full. Acesso em: 18/04/2017.
  3. Cochrane Database of Systematic  Reviews. Combined oral contraceptives: the risk of myocardial infarction and ischemic stroke. Disponível em:http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD011054.pub2/full. Acesso em: 18/04/2017.

CIMRS.org.br
Saúde Pública

Enviar Comentário